sexta-feira, setembro 07, 2007

Garcia das Sete Orelhas

(Este não é mais um estudo de meu pai. É uma história que ele ouvia de seu pai, meu avô Euphrosino, e que resolveu escrevê-la, a pedido de seus netos, para que não se perca. Por ser muito interessante, e contada por meu pai, considerei apropriado publica-la aqui)

Januário Garcia, no tempo ainda do sertão paulista, talvez lá pelas bandas da atual Altinópolis (SP), possuía uma fazenda com seu irmão.

Vizinha de sua fazenda, outra fazenda de uma famílía de sete irmãos. Animais dos Garcia passando para as terras vizinhas foi o motivo para a desavença entre as duas famílias.
Um dia os "sete irmãos" prenderam e mataram com maldade um dos Garci
a: amarram-no a uma árvore e tiraram-lhe o couro cabeludo.

Januário, o sobrevivente, jurou vingança. Bom ati­rador, saiu de casa à caça dos sete, que se dispersaram. Um a um, através de anos, foram sendo encontrados e mortos. De cada um, Januário cortava uma orelha e a prendia a uma fieira.

Passaram-se os anos e nem, a família tinha noticias de Januário; foi dado como morto, finalmente. A esposa, considerando-se viúva, casou-se outra vez.

Um dia, à tardinha, Januário andava por uma estrada, quando resolveu pedir pouso em um ranchinho ali existente. O morador era apenas uma velhinho que acolheu de boa vontade o andarilho desconhecido.

A noite começaram a conversar. O hospedeiro contou sua vida, inclusive como ele e seus seis irmãos mataram o vizinho Garcia. Sabia que seus irmãos já haviam sido caça­dos e mortos por Januário.

Quando terminou, Januário lhe perguntou solenemente: "Ó velho imprudente, por que me contaste tua história?
"Por que? - perguntou atônito o hospedeiro.

"Porque eu sou Januário Garcia!"
O velhinho caiu de joelhos e implorou: "Pelo amor de Deus, não me mate!".

Januário se comoveu e estabeleceu um jeito de resolver o problema: "Você foi bom para mim, me deu pouso e comida. Vou lhe dar uma oportunidade: amanhã bem cedo, quando o dia clarear, eu fico na porta, você conta cem passos e sai correndo; eu dou um tiro só. Se não acertar, você estará livre".

Certamente nenhum deles conseguiu dormir nessa noite. Quando o dia clareou os dois se postaram junto à porta. O irmão remanescente saiu contando os cem passos e correu. Garcia deu um tiro, o outro caiu. Garcia cortou a orelha do morto, enfiou-a na fieira.

Iniciou, então a volta para a casa.

Um dia, Januário, enquanto voltava, passou por uma fazenda, faminto. Bateu palmas na casa da fazenda, a dona atendeu mal humorada. "A senhora me dá um prato de comida?" Respondeu ela: “não tenho nada pra lhe dar, não!" "Então, por favor, faça um prato de sopa para mim com isto", e estendeu-lhe a fieira com as sete orelhas. Atônita, ela gritou "Nossa! Espere um pouco!" e entrou correndo. Pouco depois voltou e deu-lhe uma mesa farta.

Finalmente Januário voltou para casa. A noticia de seu retorno chegou primeiro. O novo marido de sua mulher, "deu no pé" e sumiu.


Os Garcia deixaram muitos descendentes; os mais antigos contavam essa história, como eu agora conto também. Meu pai a contava como fato acontecido. Quem pode duvidar?


10 comentários:

LESLIE disse...

Olá!!! Minha avó falecida paterna também contava esta história de sua família "Garcia das sete orelhas" minha avó se chama Abadia Garcia Pereira. Será que somos parentes? Abraços
Leslie
meu e-mail é: leslli_almeida@hotmail.com

Maria Beatriz disse...

Meu avô, falecido este ano, também contava essa estória, e outras também da familia dele. O nome dele era Antonio Pereira Garcia, e ele era filho de Nicolau Pereira Garcia. Acho que somos todos parentes, engraçado ver estas estórias antigas de familia escritas aqui, sempre me perguntei se isso tudo era de verdade.
Maria Beatriz

juliane disse...

OLÁ,
O NOME DO MEU AVÔ ERA TOMÁS DE AQUINO GARCIA E DESCENDE DE JANUÁRIO, MINHA AVÓ ANA, CONVERTEU-SE E DEU O PRIMEIRO NOME DO MARIDO POR SOBRE NOME AO MEU PAI SEU CAÇULA ANTONIO, POR SER TÃO SERIA E VERDADEIRA SER ESSA HISTÓRIA, DIZIA TER OS GARCIAS SANGUE NOS OLHOS, EXISTE GRANDE CONCENTRAÇÃO DE GARCIA EM PARANAÍBA ONDE NINGUÉM DUVIDA DESTAS HISTÓRIAS E DE OUTRAS MAIS RECENTES RELACIONADAS AOS DESCENDENTES DO "SETE ORELHAS" NO SERTÃO DOS GARCIAS FAZENDO JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃO. anatote2007@hotmail.com

adaobarbosa disse...

Sou adão barbosa garcia, filho de albina garcia da silva, filha de Joaguim Garcia da Silva, filho de Albina Garcia Tosta, prima de alexandre Batista Garcia(fundador de inocencia/ms, primo de Protazio Garcia Leal 9fundador de Três Lagoas/ms, neto de Januario Garcia Leal Sobrinho (fundador de Paranaiba/ms), filho de João Garcia Leal, irmão de Januario Garcia Leal (sete Orelhas).
Leiam o livro de Elio Barbosa Garcia, Desbravadores dos Sertôes

adaobarbosa disse...

Sou adão barbosa garcia, filho de albina garcia da silva, filha de Joaguim Garcia da Silva, filho de Albina Garcia Tosta, prima de alexandre Batista Garcia(fundador de inocencia/ms, primo de Protazio Garcia Leal 9fundador de Três Lagoas/ms, neto de Januario Garcia Leal Sobrinho (fundador de Paranaiba/ms), filho de João Garcia Leal, irmão de Januario Garcia Leal (sete Orelhas).
Leiam o livro de Elio Barbosa Garcia, Desbravadores dos Sertôes

Anónimo disse...

Sou Maurício Veiga Garcia neto de Guilherma Garcia Leal filha de Melânias Garcia Leal este filho do Cel. Manoel Garcia Leal, que era filho do Alferes Januario Garcia Leal Sobrinho que juntamente com seus irmãos o Captão Jose Garcia leal, Joaquim Garcia leal e João Pedro Garcia Leal desbravarão o sul de mato grosso... todos esses (Januario Garcia Leal Sobrinho,Joaquim Garcia Leal,Jose Garcia Leal,João Pedro Garcia Leal) eram filhos de João Garcia Leal morto em uma emboscada por 7 silvas, em Minas Gerais...

O Captão jose garcia leal fundou o arraial dos 7 fogos hoje Paranaíba MS... O Cel Protazio Garcia Leal, juntamente com antonio trajano dos santos fundarão tres lagoas..

O Cel Protazio Garcia Leal era filho do Ten. Francisco Garcia Leal este por sua vez irmão do Cel.Manoel Garcia Leal,Joaquim Garcia Leal ''o Major Leal'' entre outros,todos filhos do Alferes Januario Garcia leal Sobrinho.

pode-se dizer que os Garcias de Mato grosso do sul tem como seu patriarca o então morto cruelmente JOÃO GARCIA LEAL irmão de Januario Garcia Leal (7 Orelhas).

Anónimo disse...

To vendo que td mundo aqui tem um pouco de sangue Garcia..
Minha Avó se chama Maria Garcia Agripino da Silva..
Veio da região de MG.
Podemos montar na net a arvore genealogica da familia.. e ver aonde cada um de nós se encaixa..

abraços,

Willian lopes
willctba@msn.com

lucas disse...

OLÁ SOU TB UMA GARCIA DA PARTE DA FAMILIA DE SP...

Eric Garcia disse...

Qto Garcia!!!
Sou Eric Bastos Garcia, descendente de Salvador Garcia Leal.
Existe um livro com a árvore genealógica completa. Caso queiram pesquisar:
http://www.carmodacachoeira.net/2008/11/denise-garcia-e-os-garcia-frades.html
Abraços

Jose Luiz Garcia disse...

Esse texto sobre Januario Garcia Leal está repleto de incorreções.
Sugiro as pessoas que queiram escrever que o façam estribadas em fatos ou pelo menos em fontes confiaveis (livros, certidões, etc…)
Ele não foi o sobrevivente . Ele foi quem empreendeu a caçada aos sete irmãos porque eles mataram e tiraram o couro, dai o nome da "Figueira do Tira Couro", do seu Irmão João Garcia, que veio a falecer em decorrência dessa barbaridade. Januario com a juda dos seus irmãos loge de cara matou 3 dos sete e depois ao longo de 6 anos acabou de matar os outros 4.