quinta-feira, Novembro 01, 2007

Lições Bíblicas - 1

1a lição - PROFISSÃO DE FÉ E BATISMO

Chamamos Profissão de Fé e Batismo a duas cerimônias religiosas através das quais uma pessoa se torna membro comungante de uma Igreja Presbiteriana. A Profissão de Fé é também chamada de confirmação em outras Igrejas. Quando uma pessoa se torna crente depois de adulta, não tendo sido batizada na infância em alguma igreja evangélica, as duas cerimônias se dão na mesma ocasião: à Profissão de Fé segue-se o Batismo.

Profissão de Fé é o ato em que uma pessoa declara publicamente que se tornou cristã, tendo aceitado Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor. Perante a Igreja, responde afirmativamente as perguntas feitas pelo pastor a respeito de sua condição espiritual e sua decisão de viver agora uma vida realmente cristã.

Batismo é uma ordenança de Cristo; é feito com água e em nome da Trindade, conforme a ordem que dEle encontramos em Mt 28.19: "...batizando-as em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo".

São cerimônias de grande significado, pois ao responder as perguntas, o batizando estará também assumindo importantes compromissos com Deus, perante a Igreja.

A Profissão de Fé não é uma ordenança de Cristo, mas foi instituída pela própria Igreja como ritual de iniciação em que a pessoa se torna membro comungante da Igreja. Tem como base as palavras de Jesus Cristo contidas em Mt 10.32: "todo aquele que Me confessar diante dos homens, também Eu o confessarei diante de Meu Pai"; e também o ensino de Paulo em Rm 10.9 "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dos mortos, serás salvo" (grifo meu).

Essas cerimônias existem porque Deus formou na Terra um povo dEle, a partir de Abraão; passou a ser um povo separado, exclusivo e assinalado com o sinal da circuncisão. Leia Gn 17.23-26 e 1Pe 2.9.

O batismo foi instituído por Cristo, devendo recebê-Lo todo aquele que nEle crer - Mt 28.19; At 2.38-41; 8.36-38; 10.44-48; Mc 16.16

Porém, não é o batismo que salva; o que importa é o "ser uma nova criatura" - 2Co 5.17; GI 5.6; 6.15. Um caso exemplar de pessoa salva sem o batismo, é o daquele ladrão crucificado ao lado de Jesus: declarou a sua fé nEle quando disse: "Senhor, lembra-Te de mim quando entrares no Teu reino". Ao que respondeu Jesus: "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso".

Somos batizados e batizamos outros porque essa é a ordem de Cristo, mas lembrando-nos sempre de que o que mais importa é o "ser uma nova criatura". O batismo substituiu a cerimônia da circuncisão, assim como a Ceia do Senhor substituiu a cerimônia da Páscoa.

Forma de batismo

Existem 3 diferentes formas; imersão, aspersão e afusão, respectivamente mergulhando o batizando na água, borrifando ou derramando água sobre a cabeça do iniciante. Ser batizado quando criança ou quando adulto, é uma questão secundária. O essencial é viver como verdadeiro cristão (Ef 4.1-3 e Tm 2.19).

Convém saber O significado das palavras "baptismós" (batismo) e "baptizo" (batizar) - a primeira, traduzida por "batismo", significa imersão e também "ablução" ou "lavagem". No Novo Testamento encontramos muitas referências e ordens sobre as abluções ou purificações dos israelitas. E "baptizo" (batizar) tem o significado de imergir, lavar e purificar. No grego do N.T., em Lc 11.38, o verbo traduzido por "lavar" é o verbo "baptizo", e 2Re 3.11 mostra que o costume de lavar as mãos era derramando água sobre elas. No Hebraico do A.T., passagens semelhantes: Lv 14.4-7 conta como era o cerimonial de purificação de aves, onde é usado o verbo aspergir ou espargir; no mesmo capítulo, vs 47-57 contam como se fazia a cerimônia de purificação de pessoas, roupas e casa; no v. 51 usa-se também o verbo "aspergir" e no v. 47 o verbo "lavar"; em 14.6 a expressão “águas vivas” significa "água corrente"; em todo o capítulo 15, os verbos usados na descrição da cerimônia são os verbos "lavar" e "banhar".

Em At 8.39 lemos "saíram (ambos) da água” - isto significa que ambos foram imersos? Evidentemente, não.

As expressões "eis aqui água" e "saíram da água" não significam que a água encontrada era de profundidade suficiente para urna pessoa ser imersa; e, se alguém "entra na água" pode ser até a altura das canelas, então "sai da água" sem ser imerso nela.

Em At 9.37-38 (o batismo de Saulo), Lucas relata que Saulo "levantando-se, foi batizado". Afirmar que saíram e foram até onde Saulo pudesse ser batizado por imersão, é acrescentar ao texto bíblico o que ele não contém.

O mesmo se pode dizer do batismo do carcereiro de Filipos - "ele e todos os seus", em At 16.33. Em At 10.47 Pedro pergunta: "Pode alguém, porventura, recusar água para que não sejam batizados estes...". A água que pudesse alguém recusar não seria, evidentemente a de um rio, mas aquela que alguém pudesse trazer àquele ambiente para se proceder ao batismo de todos os que ali "receberam o Espírito Santo".

Também em At 19.3-5 nada há que indique ter sido por imersão o batismo dos discípulos de João Batista.

Em todos esses textos o que é mais importante é o significado que tem o batismo, de purificação e lavagem, do que simplesmente imersão.

Além de tudo o que já foi dito, lembremo-nos que o batismo com água é um símbolo do batismo com o Espírito Santo, profetizado em Joel 2.28-29, onde está dito por Deus "derramarei o Meu Espirito" e em At 2.2-3, que conta como se deu esse batismo, está registrado que "foram vistas por eles línguas como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um de1es" (grifo meu). Ora, se a rea1idade maior se deu na forma de aspersão, o símbolo - que é batizar com água - também pode ser e é melhor que seja também por aspersão.

Sobretudo, precisa ficar claro em nossa mente que na realidade é o batismo com o Espírito Santo que regenera e torna alguém urna "nova criatura", e não o símbolo, que é o batismo com água.

Sem comentários: