sexta-feira, agosto 27, 2010

O pastor, hoje

TEOLOGIA  PASTORAL
(Pastor  ou  empresário?  Pastor  ou  Executivo?)


“O  bom  pastor  dá  a  vida  pelas  suas  ovelhas” (Jo 10.11).
“De boa vontade  gastarei  e  me deixarei  gastar  pelas vossas almas” (2Co 12.15).
Aprendi nas Escrituras e no Seminário Presbiteriano de Campinas-SP, há mais de 50 anos, que pastor é aquele que, tendo sido chamado por Deus, dedica a sua vida a cuidar do rebanho de Cristo- “Apascenta  as Minhas ovelhas” (Jo 21.16). É  aquele que ama a Deus acima de tudo e seus  irmãos  na fé. “Se alguém não ama ao seu irmão, a quem vê, como amará a Deus a quem não vê?” (1Jo 4.20)
Aprendi que pastor é aquele que com convicção abraça a missão de pregar o Evangelho, pelo ideal de levar pessoas à salvação -"Ai de mim se não anunciar o Evangelho!” É aquele que “tendo sustento e com que cobrir-se ‘está contente’ (1Tm 6.8). É aquele que está disposto sempre a ir aonde Deus o mandar, e a pregar aquilo que o Senhor ordenar (Jr 1.7).
É aquele que serve a Deus por ideal e altruísmo  e não por torpe ganância (1Pe 5.2). É aquele que não se ufana de si mesmo, mas tem consciência de que em si mesmo nada é? (“Miserável homem que sou! - Rm 7.24). É aquele  que "não busca seus próprios interesses” (1Co 13.5).
Porém, pastores assim é o que vejo cada vez menos, inclusive na querida Igreja Presbiteriana do Brasil.
Vejo pastores ávidos por bons salários; que estão prontos a deixar suas igrejas se outras oferecerem salário melhor; pastores com pressa de realizarem uma brilhante “carreira profissional”; que precisam pastorear igrejas cada vez maiores. Pastorear igrejas pequenas e congregações, isso era para o apóstolo Paulo, ou para pastores menos capazes; parece que pensam assim!
Vejo pastores  que  vêem  igrejas  como empresas, sendo eles os executivos, senão os próprios donos. Seu objetivo é ver a  empresa  crescer e dar lucro. O membro que não se mostre eficiente, seja esquecido e demitido. Paulo ensinava diferente: “Quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o...” (Rm 14.1). Vejo pastores irados contra crentes simples que não se enquadram  nos  conceitos  do  pastor.
Vejo pastores  ciosos  de seus direitos, que, embora recebam muito bons salários de suas igrejas, fazem  absoluta questão de ver respeitado o dia  de seu descanso semanal, mas nesse dia “fazem bico” para ganhar um salário extra, em vez de, nesse  dia  descansarem  mesmo e dedicarem-se  a  enriquecer  e  reabastecer  a  própria  alma (Ex 20.8): descanso  e  santificação.
Vejo pastores abandonando a “arte de pregar” e o ensino do discipulado, pelas novas “técnicas de crescimento de igrejas”. Pastores que puseram de lado tudo o que ensinam a boa Liturgia, a Exegese Bíblica e a Homilética, para transformarem os cultos em “shows” de 2a. categoria, os sermões em “blá-blá-blá” vazios, sem qualquer conteúdo espiritual; para se transformarem, eles mesmos, em “animadores de auditório”. Ou não lhes foram ensinadas aquelas matérias  nos  nossos  Seminários?  Pastores cuja motivação é o salário que recebem!
Vejo pastores que ignoram a Constituição da Igreja, o Código de Disciplina, e o sentido dos Regimentos Internos dos concílios; que não sabem  que  os  relatórios devem retratar a vida espiritual das igrejas e dos concílios, e a deles mesmos; mas pensam que relatórios são apenas dados  estatísticos,  números  que  iludam  às  igrejas  e  a  eles  mesmos.
A reuniões dos concílios feitas às pressas, para cumprirem formalidades, pois a sua “política eclesiástica” é traçada nos intervalos, nas conversas extra-conciliares para atender os interesses particulares e corporativos. Que saudade eu tenho das reuniões dos presbitérios e sínodos  realizadas  com  piedade  real  e  oração!
Uma Igreja local ou nacional que, para continuar aparentemente viva, precisa transformar-se em clube e empresa dirigida por competentes executivos, como  igreja  já está morta - Ap 3.1: “...tens nome de que estás vivo, mas estás morto”. Igreja que cuida muito do patrimônio material e das propriedades, inclusive de templos, mas não cuida da vida moral e espiritual, já deixou de ser  Igreja  cristã!
Mas, afinal, o que é que estou escrevendo? Um desabafo, uma lamentação, uma catilinária? Dê-se a este documento o nome que quiser, mas aqui está um alerta, um toque de trombeta  chamando ao arrependimento todo aquele que seja aqui atingido, todo membro da Igreja  que  está  em falta  com Deus  e com  seus  irmãos.
Não sou  melhor do que ninguém, mas Deus me tem sustentado e mantido longe e fora  de  todas  essas  formas  de secularização da  Igreja.
Deus  salve  a  Igreja!

(texto escrito em abril de 2004, ainda atual)

4 comentários:

Josué disse...

Belo post, benção!

Mas na verdade agora não estou passando para opinar sobre a postagem, mas deixar o convite para se possivel dar uma olhada no meu blog, criado recentemente...o blog é novo, e eu conto com sua participação.

Obrigado pela atenção e muita paz.

Segue as essências/

www.verdade87.blogspot.com

Angelia disse...

Parabens Pastor!!!!Belissimo comentario! Infelizmente hoje esta acontecendo isso mesmo que foi comentado, e verdade, e pessoas estao saindo da igreja e estao voltando para o mundo por falta de testemunho de muitos pastores. Continuemos orando pelos nossos pastores e pelas nossas igrejas.

Geovani Figueiredo dos Santos disse...

A paz do senhor Jesus, irmão Rubens!

É uma grande alegria para mim visitar este espaço abençoado de reflexão e aprendizado. Todos nós sabemos da importância da palavra escrita nestes dias modernos que vivemos. Como cristãos ciosos de nossas responsabilidades, não devemos jamais deixar de usar nosso talento e o nosso conhecimento em prol do Reino de Deus na terra. Todo esforço envidado neste afã, ainda que seja pequeno, terá sua merecida recompensa na eternidade. Deus não é injusto para esquecer do trabalho de nossas mãos. O seu galardão dará a todo aquele que for fiel a sua bendita obra neste mundo. Que possamos a cada dia, unidos pelos elos do Calvário, perpetuar os vínculos de comunhão e altruísmo - característica maior dos renascidos.

Aproveitando o ensejo, convido-lhe a ler a minha mais nova postagem intitulada "Segundas Intenções", onde comento de modo crítico sobre o perigoso estreitamento das organizações Globo com o seguimento evangélico. Aguardo sua visita bem como o seu comentário.

Nos laços do Calvário,

Geovani Figueiredo dos Santos

gustavo disse...

amar a deus acima de todas as coisas assim como deus nos amou.